quarta-feira, 2 de março de 2016

Dani Nurse Fala Francamente sobre a Unidade Mista do Carpina.

Foto: Elielson Lima
Amigos carpinenses, o que me levou fazer esta postagem foram algumas críticas que observei nas redes sociais que me chamaram a atenção. Respeito á todos! Precisamos saber debater sem agredir as pessoas e a minha conduta não será essa. O fato é que em uma das críticas uma pessoa registrou uma imagem no consultório médico da Unidade Hospitalar e naquele dia chovia e escorria uma água dentro do consultório. A pessoa que não me recordo quem foi, postou a foto na rede social com uma legenda que dizia mais ou menos assim: "Esse é o carinho". Numa clara crítica com total cunho político. Numa outra situação a pessoa registrava um paciente que era carregado por dois homens em uma cadeira comum (de plástico) e a pessoa denunciava a falta de cadeira de rodas no hospital.

Bom gente, meu intuito aqui não é defender a gestão mas apenas ser justa como tenho procurado ser nestes 6 anos de blog e levar a você leitor a analisar os fatos friamente deixando a política e os futuros candidatos as eleições municipais de lado. Quero levar você a analisar junto comigo com olhos frios, como cidadão, analisando os problemas da raiz, pois este é muito mais complexo.

Semana passada assistindo ao jornal nacional, vi uma matéria sobre a saúde no país e lá foi declarado que o governo federal investe por dia na saúde de cada brasileiro com o perdão da expressão, ridículos R$ 3,00. O Rio de Janeiro, uma das maiores capitais deste país fechou, em decorrência da crise e com o agravante que temos um recurso muito mal administrado, dois grandes hospitais públicos. Aqui bem perto de nós temos o hospital do estado Hermírio Coutinho que está fechado! Não estou querendo dizer aqui que temos que nos basear pelos piores exemplos, mas querermos que diante do momento enfrentado, só Carpina, uma cidade do interior tenha um atendimento de primeiro mundo é surreal! Devemos criticar sim, mas criticar baseados na realidade nacional, com os pés no chão e sensatez, estas sim serão críticas construtivas!

Você que porventura é daqueles que por esperarem um atendimento na Unidade Mista do município por 5/6 horas já se acha no direito de dar escândalo no hospital, agredir os funcionários verbalmente, ameaça-los fisicamente, bater as portas e lá vai o trem, aconselho você a fazer uma visita a um dos hospitais públicos do Recife, onde os pacientes as vezes esperam esse tempo apenas para receberem o primeiro atendimento contrariando inclusive a pulseirinha que recebem na classificação de risco em que determina o tempo máximo para serem atendidos. Vou contar uma história de uma paciente "moradora de Paudalho que veio ser atendida na Mista" diga-se de passagem, que acompanhei á um hospital do Recife. Chegando lá, ela recebeu uma pulseira em que era para ser atendida em no máximo 20 minutos mas só foi ser olhada pelo médico mais de uma hora depois e porque fui atrás, o doutor passou uma raio x para a paciente que era diabética e havia se descoberto cardiopata através de um exame na Mista de Carpina, respirava com dificuldade e ainda estava com a Chicungunhya. Enfim, encaminhei a paciente para o setor e lá tiraram a ficha dela das minhas mãos, guardaram e disseram que o exame não seria realizado naquele momento ao que perguntei de que horas seria, a técnica sem nem se quer me olhar me respondeu: "Será feito quando der" - mas como assim? Isso é resposta? Ainda mais para uma paciente tão debilitada? Em outra situação o paciente recebeu a tal pulseira para um atendimento em uma hora e só foi ser atendido 3 horas depois. Isso além de outros fatos que testemunhei como um rapaz que havia sofrido uma fratura na perna em um acidente e aguardava a cirurgia há mais de 40 dias, e naquele dia já havia sido adiada mais uma vez por falta de anestesia neste hospital de grande porte da capital.

Existiu uma época em que o atendimento da Mista de Carpina era em média de 200 pessoas/dia. Hoje essa demanda subiu para 400/450/dia! Portanto as pessoas esperam o que é muito natural, em caso extremo, cerca de 6 horas mais ou menos, mas isso entre fazer a ficha, ser atendido pelo médico e receber a medicação. Pessoas que recebem medicamentos de todo tipo, que são internadas com um certo conforto quando sua enfermidade permite que o hospital a comporte. Um exemplo foi meu próprio pai que lá ficou internado e recebeu todo o atendimento médico necessário e teve direito ainda há uma bateria de exames feitos no próprio hospital. Podia ter acontecido de o hospital ter requisitado fazer o exame em outro lugar por falta de algum material? Podia!! Não devia, mas podia. Pode faltar algum medicamento na Unidade Mista do Carpina? pode! Não devia mas pode porque acontece não só aqui, infelizmente é um problema que se viralizou e a demanda de atendimento está muito grande então pode acontecer de faltar. A secretária de saúde do município Cássia do Moinho, foi muito franca ao dizer que o hospital, que é municipal, é bom enfatizar, não tem condições de atender uma demanda tão grande e que há um esforço para mantê-lo aberto. Por isso as vezes e não é dessa administração, já vem de tempos, faltam lençois, alguns medicamentos que logo são reabastecidos, e cadeira de rodas que aliás, o hospital tem cadeiras de rodas mas as vezes elas ficam ocupadas e é necessário improviso. Hoje o hospital recebe pacientes das mais diversas cidades. Aqui faltam lençois? Nos hospitais do Recife faltam lençois, faltam cadeiras de rodas, faltam leitos e faltam macas! Muitas vezes levamos um paciente daqui em transferência e a ambulância volta sem maca porque o hospital não tem onde colocá-lo. Quantos pacientes chegam aos hospitais da capital, se internam e recebem alta na maca em que chegaram. E engraçado é que lá as pessoas são educadas porque lá o buraco é mais embaixo.

Se considere um cidadão de sorte se você precisa ser atendido pelo SUS, mora em uma cidade do interior como Carpina e sua enfermidade permite que você receba atendimento na "tranquilidade" daqui. Se você puder ficar internado aqui, com seu acompanhante, com sua privacidade! Que aliás é outra coisa que não existe em alguns hospitais públicos do Recife. Já entrei numa tal sala vermelha por lá e vi homens e mulheres misturados. As mulheres com os seios nus na frente dos homens, os acompanhantes num desconforto total. Deprimente.

Com isso não estou dizendo que a gestão deva cair na mediocridade de achar que em relação ao resto do país ela está no padrão e não deve melhorar e nem extinguir a parcela de responsabilidade do prefeito. Que fique bem esclarecido! Mas um prefeito trabalha em equipe, para isso se existem secretários, diretores, coordenadores, eletricistas, faxineiros enfim, o gestor não pode estar 24h dentro de um hospital pra adivinhar que tem uma água escorrendo dentro de um consultório, por favor!!! Sejamos coerentes. Pra isso existe uma equipe técnica, agora, se si torna um problema decorrente, se o prefeito já estivesse na gestão há 4 anos por exemplo e aquela mesma água vivesse escorrendo, aí já consideraria um descaso da mesma. Mas querer culpá-lo por um vazamento, por uma cadeira de rodas que no momento faltou, se temos de fato coisas mais sérias para se preocupar, é no mínimo infantil. Perdão mas fica até vulgar, leviano usar um pretexto tão banal para apenas falar mal do gestor. Falei!

Na gestão passada recordo-me perfeitamente que um paciente morreu de enfarto após o médico ter se recusado a sair do repouso para atende-lo. E aí na época atiraram pedras na gestão Botafogo, a oposição caiu em cima com a mesma politicagem. Mas foi realmente culpa do então prefeito Botafogo? Claro que não! Ele não tinha como prever mas tomou a atitude certa exonerando o médico.

A humanidade é complicada. Critica, se intromete sem ajudar e quando há acerto o reconhecimento é quase nenhum. Tenhamos paciência meus amigos, principalmente com os funcionários que lá estão num árduo trabalho, pois não é fácil, e também sofrem com a precariedade da saúde em nosso país.

Vamos tentar ver os acertos que aconteceram nesta gestão e que foram de suma importância, este ano o bloco cirúrgico ainda está fechado por conta de problemas financeiros mas quantas cirurgias e partos foram realizados ano passado? Quantos novos carpinenses vieram ao mundo por aqui?! Hoje temos um laboratório municipal que tem seus problemas como qualquer órgão do SUS mas funciona. Hoje temos uma pediatria, que precisa de aprimoramento? Precisa. E o principal funcionar 24h por dia. Mas nem tinha pediatria e hoje tem funcionando e diminuindo muito o fluxo e tornando mais ágil durante o dia. Então vamos assim, aos poucos de degrau em degrau fazendo ajustes.

Hoje o hospital também tem uma triagem para agilizar um pouco o atendimento.


Não se choquem com o que vou dizer, com minhas declarações, e não distorçam minhas palavras por favor! Entendam o que quero dizer, o SUS é sofrido é, mas a Unidade Mista do Carpina, apesar de testar a sua paciência e de toda a dificuldade enfrentada, levando-se em consideração que é um hospital municipal, é um 5 estrelas...

Como disse hoje o diretor do Hospital Hermírio Coutinho que está fechado, um hospital quando tem muita gente é porque ele é procurado, e se ele é procurado é porque tem atendimento, socorre o povo! Desconfie do atendimento se você chegar em um hospital e ele for calmo demais.

Tenhamos paciência, vai melhorar! E principalmente sejamos inteligentes na hora de criticar, pois tem muito político adversário ao gestor que tem conhecimento da raíz do problema, que sabe que se estivesse no poder estaria enfrentando as mesmas dificuldades, mas usa você com sua falta de conhecimento como fantouche para fazer sensacionalismo. Acorda Carpina!



Nenhum comentário:

Postar um comentário