quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Banco Mundial estima crescimento de 3,2% para a economia mundial em 2014, mas Brasil fica sem perspectiva de expansão


O Banco Mundial diz que Brasil além de não ter perspectiva de expansão na economia terá significativa redução.


A economia mundial deverá crescer 3,2% este ano, avançou esta quarta-feira o Banco Mundial, quando em Junho passado estimava uma expansão de 3% para 2014. Isto depois do crescimento de 2,4% registrado em 2013.

A previsão para o crescimento nas nações mais ricas foi também revista em alta, de 2% para 2,2%. Parte desta expansão reflete melhorias nos 18 países da Zona Euro, sublinha o relatório, que estima um crescimento de 1,1% na Zona Euro, em 2014, contra 0,9% na projeção anterior. E isto à conta da Alemanha e do fortalecimento de economias mais frágeis, como Espanha e Itália.

“A Zona Euro está na mesma posição em que os EUA estavam há um ano e meio ou há dois anos, em que o crescimento está a começar a ser positivo, mas ainda hesitante”, salienta o autor principal deste relatório, Andrew Burns, que é também o responsável pelo departamento de macroeconomia global no Banco Mundial.

Os Estados Unidos liderarão o crescimento (2,8%) entre os seus pares, devendo crescer o dobro do que se espera para o Japão (1,4%), acrescenta o documento citado pela Bloomberg.
Ao mesmo tempo, segundo o Banco Mundial, a retirada dos estímulos à economia nos EUA poderá levar a um aumento das taxas de juro, o que penalizará os países mais pobres, já que os investidores regressarão a ativos mais atractivos, como as obrigações do Tesouro.

“Se as taxas de juro subirem demasiadamente depressa, o fluxo de capital para os países em desenvolvimento poderá cair em 50% ou mais durante alguns meses, podendo provocar uma crise nalgumas das economias mais vulneráveis, alerta Andrew Burns.

O relatório aponta também para um quase duplicar do crescimento do comércio mundial este ano, face a 2012, uma vez que as economias desenvolvidas ajudarão a impulsionar os países emergentes que dependem das exportações.

No entanto, o crescimento nos países em desenvolvimento ficará ainda aquém do registrado antes da crise global. Com efeito, o Banco Mundial reviu em baixa as suas estimativas para os mercados em desenvolvimento, cuja projeção de crescimento para 2014 é de 5,3% [quando em Junho passado previa uma expansão de 5,6%].

O Banco Mundial cortou a sua perspectiva para a expansão em 2014 na China, de 8% para 7,7%, bem como no Brasil (reduzindo a estimativa de 4% feita em Junho para 2,4% agora) , México (de 3,9% para 3,4%) e Índia (de 6,5% para 6,2%).

O crescimento nos países em desenvolvimento deverá acelerar de forma “modesta” entre 2013 e 2016, a um ritmo de 2,2% pontos percentuais abaixo do registado nos anos anteriores à crise global”, refere ainda o relatório.

Para 2015, o Banco Mundial estima um crescimento mundial de 3,4%, contra os 3,3% que previu em Junho passado.

Fonte: http: www.jornaldenegocios.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário