sábado, 28 de novembro de 2015

Carpina poderá ser a segunda cidade no Nordeste a usar tecnologia renovável para reaproveitar 100% do lixo produzido



O prefeito de Carpina, Carlinhos do Moinho acompanhado do presidente da Câmara, Dudu Izidoro se reuniram ontem (27), com um grupo de empresários da empresa Reusi, com sede em São Paulo, que detém uma patente exclusiva para o reaproveitamento do lixo.

A comitiva iniciou a agenda fazendo uma visita técnica ao lixão da cidade, “Eis o nosso grande desafio, transformar esse grande conglomerado de lixo em uma moderníssima Usina de transformação. Gerando emprego para nossos catadores e qualidade de vida para todos os carpinenses. Tenho certeza que nossos vereadores farão o possível para ver esse projeto sair do papel”, afirmou o presidente Dudu Izidoro, principal incentivador da vinda desse equipamento pra cidade.

O representante da Reusi no Nordeste, Dr. Eduardo Fontes destacou o pontecial da usina, “O ritmo aqui é rápido, nos reunimos nesta segunda, hoje já estamos aqui visitando in loco. Com essa possibilidade de nos instalarmos em Carpina vamos atingir a região como um todo, criando 60 empregos diretos e zerando de vez os resíduos. Estamos a disposição da sociedade para mostrar e executar esse importante projeto que já dá certo no Sul e Sudeste, que começa a ter suas primeiras experiências no Nordeste em Bezerros e agora em Carpina!”, pontuou.

O prefeito comemorou,“estamos correndo contra o tempo para fazer valer a lei federal que exige a implantação de um aterro sanitário. Com a vinda dessa Usina vamos conseguiremos sanar essa demanda e garantir uma política ambiental responsável. Entregamos hoje a carta de intenção para a vinda do empreendimento”, declarou Carlinhos do Moinho. 

A partir de agora serão trocadas uma série de documentação, depois da conclusão do comodato a empresa precisa de cerca 180 dias para concluir sua instalação e iniciar até operar no máximo. A Reusi transforma todo material descartavél em óleo diesel sintético, carvão para produção de energia e madeira biossintética. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário