quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Armando comenta saída do PSB do governo Dilma: “Começam agora as definições em Pernambuco”



Um fato que vai condicionar os próximos movimentos a partir de agora. É dessa forma que o senador Armando Monteiro, presidente do PTB de Pernambuco, avalia a decisão do PSB nacional, comandado pelo governador Eduardo Campos, de deixar o governo Dilma Rousseff, entregando os dois ministérios que ocupa atualmente.

Em entrevista por telefone a Geraldo Freire, da Rádio Jornal (Recife), o senador fez uma avaliação do impacto da decisão: “Eu acho que esse movimento que o PSB fez aponta claramente uma direção e essa direção é a da candidatura do governador Eduardo Campos à Presidência da República. A partir daí, essas definições nos planos local e regional naturalmente começarão a acontecer, ou seja, a definição das alianças que vão se formar e, a partir disso, a definição dos palanques”.

Veja abaixo a entrevista completa:

O clima aí (em Brasília) está quente com este afastamento do PSB (do governo Dilma)?

Armando Monteiro – Olha, não resta dúvida nenhuma que esse foi um assunto que teve repercussão aqui no Congresso, no meio político e na imprensa. É um fato relevante do ponto de vista político.

O seu caminho como candidato a governador ficou mais estreito ou mais largo com essa decisão do governador Eduardo Campos?

Armando Monteiro – O que há que as coisas começam agora a se definir. Eu acho que esse movimento que o PSB fez aponta claramente uma direção e essa direção é a da candidatura do governador Eduardo Campos à Presidência da República. A partir daí, essas definições nos planos local e regional naturalmente começarão a acontecer, ou seja, a definição das alianças que vão se formar e, a partir disso, a definição dos palanques. Portanto, é um fato, é um evento que vai, sem dúvida nenhuma, condicionar os movimentos políticos a partir de agora. É evidente que candidaturas ainda não estão postas, mas eu não posso deixar de dizer que o nosso nome está e sempre esteve à disposição desse conjunto e, evidentemente, nós vamos agora, na perspectiva desse processo... vão se iniciar agora, com uma dinâmica nova, esses processos de articulação.



Ele conversou com o sr. antes de tomar essa decisão?

Armando Monteiro – Não, não. Não tivemos nenhum contato sobre essa questão. Eu tenho a impressão de que essa definição, pelo que se sabe, alguns setores do partido, do próprio PSB, há algum tempo, já de alguma forma cobravam essa definição. Sabe-se, por exemplo, que a executiva do partido em São Paulo, em reuniões da executiva nacional anteriores, já apresentava essa proposta de afastamento do governo. Era um processo que vinha sendo discutido no âmbito do partido e, nas últimas semanas, o que se assistia também era um certo desconforto do PT e do governo federal com uma posição que era cada vez mais clara, do PSB, no sentido de caminhar para uma candidatura própria. Portanto, para caminhar na direção de uma candidatura própria é evidente que esse afastamento do governo era algo que se impunha, até para que se pudesse dar uma certa credibilidade a esse projeto do partido.

Senador, às 9h46 minutos desta quinta-feira, hoje, agora, o sr. está mais perto de Dilma ou de Eduardo?

Armando Monteiro – O meu partido, o PTB nacional, nesse momento, tem um alinhamento claro à presidente Dilma. Essa é também a posição do partido no Congresso. E eu disse há algum tempo em Pernambuco que o nosso partido está inserido nesse campo político. Eu lembro sempre que nós fomos eleitos num palanque onde estavam juntos o PSB, o PT e o PTB. É claro que todos desejavam que esses partidos ainda estivessem juntos no processo, mas há projetos partidários que são legítimos. Eu nunca deixei de considerar que esse projeto do PSB é um projeto legítimo, assim como, do mesmo modo, em Pernambuco, e na perspectiva da sucessão do governador Eduardo Campos, são legítimas também as postulações que nesse contexto da nossa Frente (Popular de Pernambuco) possam se apresentar. Ou seja, o mesmo grau de liberdade que o PSB reivindica no plano nacional o nosso PTB reivindica no plano regional. Portanto, eu acho legítimo esse projeto, mas acho que nós entramos agora realmente numa nova fase e vamos ter uma definição agora mais clara das alianças.

Crédito da foto: José Alves /divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário